quarta-feira, 1 de junho de 2011

Mudando a perspectiva?


 Foi Heráclito, filósofo pré-socrático considerado o pai da dialética que cunhou a frase “Nada é permanente, salvo a mudança”. Estava eu surfando entre centenas de sites e realizando manobras alucinantes para desviar-me da “tentação” dos downloads, compra coletiva, fofoca e afins, tentando realmente encontrar informações relevantes sob o meu ponto de vista, quando encontrei o artigo “Mudando o Mundo” de autoria do Luciano Pires.
Luciano Pires é palestrante, executivo, cartunista, aventureiro, comunicador multimídia, escritor, contador de histórias, jornalista e criador do portal café Brasil, que tem a proposta de reunir “personal trainers” que estimulem as pessoas a praticarem uma espécie de “fitness intelectual” objetivando a “despocotização do Brasil”. Em seu texto Luciano aborda em primeiro plano o tema “perspectiva” fazendo diversas afirmações, digamos... polemicas! chegando a afirmar que mudando a perspectiva, mudamos o mundo. Será?
Para ilustrar o seu artigo ele utilizou-se de uma história que fora contada a ele em outrora, que é mais ou menos assim: “Os pais do moleque, moderninhos, deixavam o filho livre. O demônio quase derrubou meu laptop e uma xícara de café do sujeito que estava na poltrona ao lado. Até que um passageiro perdeu a calma e deu uma descompostura nos pais do garoto. Muito a contragosto os pais prenderam o moleque pelo cinto de segurança na poltrona e o obrigaram a ficar quieto. Então o diabinho começou a chorar, gritar e espernear. O escândalo era pior do que a bagunça pelos corredores, transformando o vôo num inferno. Aumentei o volume do fone de ouvido, mas não adiantou. De repente uma colega que estava sentada à minha frente chamou a aeromoça e lhe disse alguma coisa. A aeromoça deu um sorriso e foi à cabine do piloto. Curioso, perguntei para a colega o que ela havia dito à comissária, e ela respondeu:
- Em vez de tentar resolver o nosso problema, deveríamos resolver o problema da criança.
Minutos depois o co-piloto apareceu no corredor e perguntou para o menino se ele gostaria de pilotar o avião. O diabinho olhou para o pai e para a mãe, sem acreditar no que ouvira. E pronto! Durante quase todo o resto do percurso o garoto ficou na cabine de comando, fingindo que pilotava o avião. E ninguém mais ouviu um pio do pentelhinho.“
Na história acima fica evidente que a moça observou o problema pela perspectiva do moleque, e com isso o resolveu. Previsível? Sinceramente não tenho certeza! 
Continuando a minha busca por informações das últimas semanas relevantes sob o meu ponto de vista, encontro notícias nos jornais, sites mato-grossenses, blogues e outros veículos de comunicação da região que deixam cada vez mais claro que “deste lado da ponte temos um problema; temos um problema deste lado da ponte”. É problema com PAC, saúde, educação, sanecap, segurança pública...
Diante disso, talvez esteja na hora de mudarmos a perspectiva e observarmos as noticias que saíram na mídia regional e até nacional acerca de Cuiabá, sob o ponto de vista dos envolvidos, traçarmos um paralelo com o pensamento de Heráclito citado no inicio deste texto - que já havia dado a dica há centenas de anos - e observarmos que de fato talvez esteja na hora da mudança... Mas não da perspectiva. E sim da gestão!


Edilberto Magalhães – Turismólogo, Produtor Cultural e Blogueiro - e-mail: edilberto.turismologo@hotmail.com