sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Estilo Perigoso

Não sigo os padrões de normalidade que é criado por alguns chatos de terno e gravata que vive a desfrutar de todos os benefícios possíveis que o dinheiro, a fama, a manipulação da massa ou até mesmo a roubalheira pode trazer.

Já faz um bom tempo que me deparo com situações de pré-conceito por todos os locais que costumo jornadear, pelos bate-papos via internet, pelo convívio com os amigos, e/ou até mesmo lendo relatos das mais diversas pessoas nos vários veículos da mídia.

Mas o termo pré-conceito tem se tornando tão clichê. Há uma marginalização do mesmo, tornou-se moda acreditar que se é vitima desse problema, algumas pessoas já sofrem da “síndrome do pré-conceito”, um mal que afeta algumas dúzias de indivíduos cujo equilíbrio mental e ético é duvidoso e faz com que os mesmos acreditem que estão sendo vitimas do pré-conceito a todo o momento, como se todo o mundo estivesse contra eles. Também Já vi esse mal sendo chamado de “frescura.”

Dias atrás fui a uma grande rede de supermercados, como de costume entrei com minha mochila, de short, com uma blusa regata, tênis e meu cabelo encaracolado.

Ao caminhar pela mesma, escolhendo os produtos que iria comprar, percebi que alguém me perseguia, mas não como uma forma de proteção e sim acusação. Era o segurança da loja, que não sei por que cometia tal ato. Não dei muita importância e continuei escolhendo os produtos que pretendia comprar, até que o individuo chegou bem perto de mim e como se fosse meu guarda-costas ficou ao meu lado. Perguntei se ele queria algo, ele me falou que por enquanto não. Dei um sorriso e fui buscar outros produtos do outro lado do supermercado, ele continuou me seguindo, até que consegui despistá-lo. Pensei naquele momento o que estava acontecendo, não cheguei a uma conclusão, terminei de escolher os produtos e fui ao caixa, paguei e fui para a porta de saída, chegando à mesma, fui abordado pelo segurança, que falou para eu abrir a mochila, pois, segundo ele, estaria eu roubando produtos do supermercado. Fiquei surpreso com a abordagem, e falei que não iria abrir, afinal, não estava roubando nada. Ele continuou insistindo, e as pessoas que ali estavam começaram a me olhar como se eu fosse um bandido, depois de alguns minutos discutindo com eles, resolvi abrir a mochila. Ao constatar que não havia nada, os mesmos me pediram desculpas, falaram que só me abordaram porque meu “estilo” jovem é muito parecido com os dos “trombadinhas” que vivem a roubar naquele supermercado.

Senti-me tão mal, formulei inúmeras perguntas acerca da ética, do senso comum, entre outras, mas preferi não discutir, pois ele não era o “culpado”, apenas cumpre as regras, resolvi ir embora. Chegando em casa, pus-me a refletir sobre o que havia acontecido, muitas perguntas e poucas respostas surgiram.

Contei o caso a um amigo, ele me falou que fui vitima do pré-conceito que os jovens sofrem, por conta de um “padrão” que foi definido sabe-se lá por quem, meu estilo é parecido com os dos “trombadinhas”, e por isso, sou considerado um “meliante”.

O Problema parece simples, mas é muito complexo. Faz muito tempo que estamos sofrendo com o pré-conceito, acostumamos a julgar as pessoas antes de conhecê-las, e por tal padrão que foi criado, muitas pessoas de bem são consideradas “suspeitos”, mas temos que avaliar a ética, os padrões, e, principalmente, quem criou os mesmos. Mas estamos tão acostumados a não questionar nada, ao comodismo. Pensar então... “Pensar dói”.   

Ah, que saudade do tempo que usava terno e gravata, pelo menos eu não era abordado pelos seguranças nos supermercados.

18 comentários:

Andrea Vaz disse...

Gostei muito do seu post. Preconceito sempre foi e será uma visão torpe da sociedade. Existem vários estilos, como existes vários gostos. A sociedade tb cria os seus, e quem estiver fora sofrerá preconceitos. Isto acontece na forma de vestir, falar e agir. O que falta é respeitar. Nem tudo que é diferente é criminoso. Aguardo sua visita: http://rascunhosdeandreavaz.blogspot.com/

Leo Pinheiro disse...

Temos aqui o antepenúltimo dos comunistas?

Certa vez Fidel falou pra Niemeyer:'Pois é, sobramos só nós dois!'

Certo ou errado; mostra a falta e idealismo, hj em dia!

Boa reflexão, parabéns. Agora vá conhecer o meu e...

Aperte Cntrl D

SouMusic disse...

Puts... eu não sou muito de ficar dando trela a gente preconceituosa não... Se percebo que algum segurança me segue eu finjo que não vejo e desconsidero, apesar de ser altamente desconfortavel.

Mas no caso da abordagem que fizeram a você... ah... ai eu ia criar problema sim. Primeiro que ao invés de esperar por eles, eu mesmo ia chamar a policia. Iria fazer questão de processar o mercado. Não por ser do tipo que fica inventando motivo pra abrir processo e pedir indenização, mas ~faria só pra eles passarem q ter um pouco mais de cuidado nos julgamentos que eles fazem....

Anônimo disse...

Também odeio ser abordado por seguranças nos lugares principalmente em shopping, dia desses estava na c&a olhando umas mochilas para notebook, o cara me abordou falei que ele saisse pois estava enchendo meu saco, e se me agradar e eu gostar compraria.

ele falou essa mochila é para notebook, então tirei o meu da minha mochila e perguntei, igual a esse?

www.blogdorubinho.cjb.net

L ! disse...

[ Desencana, moço! ]

Ladrão que é ladrão, hj usa terno e gravata!

¬¬

Beeijo!
=***

Alisson disse...

Eu tenho é medo da vida a lá "terno e gravta" aquilo é uma prisão eu sou assim do jeito que eu sou.


há tempos atras um amigo e eu fomos perseguidos num seupermecado
nos estavamos na seção de roupas dai eu pegeui um sutiã e pus sobre meu amigo, e ele com uma voz de bicha falou "naquele ali ( com o segurança) ficaria bem" hahah o cara só ignorava.
Não deixei me revistarem pedi provas em video de que agente tinha pego algo, senão ia processar a loja. começou a juntar gente dai fomos embora "tchau bofe" meu amigo doido falou! heheheh

não precisa tratar mal, mas tbm não podemos nos submeter ao preconceito dos outros.

té mais!

-------
www.dacordasuapaz.blogspot.com
-------

30 e poucos anos. disse...

Por um lado a gente se sente péssimo qdo acontece, mas por outro temos que entender que as pessoas estão fazendo o trabalho deles e só pelo fato de estar com a mochila eles podem ter desconfiado.

PequenAprendiz disse...

Na verdade trata-se de uma defesa desse meio social contra alguns estereótipos.
Acho que você deveria ter entrado com uma ação pedindo danos morais. As pessoas não podem continuar agindo dessa forma.
Bom final de semana!
bjs

Julio Cesar disse...

EU odeio esse negoco de pre-conceito sofri muito com issu na escola quando tinha uns 10 11anos, até hoje tenhu trauma,sou muito desconfiado, sei la.... assim tipo assim achu que é esse meu comentario


Abraços e sucesso com seu blog =D

Carlos Eduardo disse...

Muito bom texto. Realmente, falar que sofre preconceito hoje em dia não significa mais nada, afinal todos sofrem, independete de qual seja a forma ou intensidade.
Alguns nem percebem, mas ele está lá.


http://putoanonimo.blogspot.com

Tђαммy disse...

Nossa...lastimavel o seu caso, não acho que seja simples não, pelo contrário fico muito irritada quando acontece algo assim.
Já me cansei de dizer que não é a roupa que demonstra o carater da pessoa...é triste!
Abraços

Pensando bem... disse...

gostei muito desse "estilo perigoso"!!
haha
PAz e lUZ

Ms. Molly Bloom disse...

putz
tenho tanto pra dizer do post
amei
estou sem palavras por isso não escrevo mais
nem pontuar as frase svou
pra deixar um ar de volto logo

LUCAS DE OLIVEIRA disse...

Fala sério!
Isso não é atitude de um segurança fazer...

você poderia procurar seus direitos...

Lucas de Oliveira

Lucas Araújo disse...

Gostei muito do post seu.
gostei do seu blog.
abraços.

ºDreº disse...

Ahhhhhhhh
Dudu, você me fez chorar com o seu comentário...
Tô emocinonada.
Estou sem palavras...
Obrigada.
Beijos

Marcus Vinícius disse...

Também gostei muito do seu post e acho que deveria procurar seus direitos, isso que o segurança fez não foi certo de forma alguma. Também cabe dizer que nesse mundo tão imediatista que vivemos é mais comodo para as pessoas não questionaremo e apenas seguir as regras sem mesmo uma apropriada reflexão critica sobre eleas.

Lucas "Bixo" Dias disse...

Cara, muito bom o texto do post...
è interessante como sair fora dos padroes esperados pode ser mau visto pelas pessoas...
Sempre vejo pessoas me olhando torto, normalmente, quanto mais rosa tme na roupa, mais torto o olhar, mas não vou generalizar para cometer o mesmo erro, só sei as "roupas rosas" como modo de demonstrar o "padrão" e o preconceito contra o padrão...
Já cheguei a muito tempo à conclusão de que é melhor ignorar essas pessoas e dar atenção pra quem realmente merece.
Mas existem situaçoes, como foi seu caso, em que é algo que deve incomodar muito. Infelizmente não tem nenhuma "formula magica" pra resolver isso.

De qualquer forma, parabens pelo blog!

http://rocknhowl.blogspot.com/