sábado, 27 de setembro de 2008


 A verdade (não) está no ar

Está chegando o momento de mais uma vez votarmos, com o intuito de mudarmos a atual situação política do Brasil, para melhor, é claro.

Porém, antes do voto, faz-se necessária uma boa analise dos candidatos para que essa mudança, de fato aconteça, beneficiando a população, e não a conta bancária de algum “barão”. Essa analise, tem que ser desprovida de sentimentos de retribuição, por alguma “ajudinha” que tal candidato deu ou possa vir a dar para você, algum amigo ou membro da sua família.

Em tempos de política, o que menos encontramos na mídia, são fatos verdadeiros vindo dos candidatos a uma vaga. Dentre todas as formas de campanha que os candidatos podem usufruir, é no horário eleitoral que encontramos propostas no mínimo, engraçadas; tentando fazer com que as mesmas condizam com a realidade, até parece um show de comédia, orquestrado pelos marqueteiros, que querem apenas nos enganar, não ligando para valores morais ou éticos.

Saber escolher um bom candidato é a chave para um futuro mais ético e democrático. Sobretudo, não acredite que quem está liderando as pesquisas de votos é o melhor. Vote em quem você quer não se baseando na opinião dos outros, pois o senso comum dinamiza a mediocridade. Pesquise sobre a vida dos seus candidatos, não se deixe ser enganado pelos marqueteiros, que querem apenas passar a melhor imagem possível, questione tudo, reflita sobre a preparação do seu candidato para exercer funções políticas. Será mesmo que um empresário tem capacidade política, hein?

Há candidatos que não se candidataram para vencer, e sim para mudar a cabeça das pessoas, talvez uma atitude errada, mas em meio a tanta coisa errada, quem pode julgar o que é certo a não ser você, eleitor.

Os candidatos que são comprometidos com a boa política são aqueles que querem que vença o melhor, independente de ser um intelectual ou um empresário, um ex-apresentador de TV, ou um membro do poder público, um rico ou um pobre. Mas o ar está sujo, e quase nos impede de perceber quais são os mesmos, porém veja e reveja, limpe a TV, e então verás com olhos de águia.

Após toda pesquisa e reflexão, é hora da ação. Vote no que você considera o mais preparado, e convença pessoas a votarem no mesmo. Mostre porque o considera mais preparado, use bons argumentos, coletados na pesquisa que fizeras.

Caso o seu candidato perca, não se esqueça da sua consciência, você agiu certo, não ajudou a eleger aquele que está no poder.

Não desanime nunca, sempre acredite! Você pode fazer a diferença. Aos poucos vai mudando a cabeça dos eleitores; é uma luta difícil, mas necessária, é assim que, em um futuro próximo, talvez tenhamos políticos mais preparados, no ar e no poder. 

6 comentários:

Euzer Lopes disse...

Sinceramente, talvez nossa ignorância ou falta de vontade não nos permita fazer uma escolha certa. Muitas vezes votamos num lobo que se apresenta com pele de cordeiro.
Mas votar ainda é a única maneira de fazer(mos) a diferença.
Está nas nossas mãos.
Votando, adquirimos o direito de cobrar. E cobrar bem cobrado.

Msena disse...

Não aceite um frango pelo seu hsahshashahs

João Áquila Lima dos Santos disse...

pra mim, não vai mudar nada, na melhor das hipótese, os nomes.
abraços

joaoaquila.com

Maranganha Abilolado disse...

É bom às vezes votar por prática que ppor ideologia. Questões práticas independem de ideologias.

Reporter x disse...

temos que pensar muito pra votar, afinal... 4 anos é muito tempo

Marcus Vinícius disse...

Estive pensando principalmente no trecho em que fala sobre os candidatos que não estão ai para vencer pois justamente estou pensando em votar em alguém assim. Não por esse motivo, é claro, mas porque vejo suas propostas como interessantes e uteis, além de inovadoras. Temos sim que cobrar, nos informar e acima de tudo ter memória, talvez o melhor instrumento para combater o mais do mesmo que sempre insiste em voltar.

Muito bom o texto, imparcial, e respeito o leitor conscientizando-o e fazendo refletir ainda mais nessa época.