terça-feira, 16 de setembro de 2008

Do Vir-a-ser

Crime cometido mesmo eu não estando em castigo, sentimentos rejeitados que nunca foram trilhados.
No simbolismo do meu ser quis-te bem o meu querer, num abrigo noturno e não decorado faço perguntas sem resultados.

Nada de ser numa interjeição coloco em aposta o meu coração, sabendo de tudo num olhar interno me figuro em ti com sentimento eterno.
Alívio contínuo e desenfreado sei que estou completamente encantado, na dor da espera na ausência do ser, transfiro meus pensamentos só em você.

Deveras o não entender, na dúvida feita pela razão sei que tudo isso não é uma mera admiração.
Contudo entendas, desse pouco convívio sei que meu coração pode estar em perigo. Taças em gelo ou talvez o contrário, estarei confuso ou enganado?

O Sistema Límbico me traz a emoção contornando o Endócrino para esta declaração.
Gestos amostra, palavras sensatas, apuro o desejo de estar ao teu lado. Nada há dizer, nem mensagens há dar, me sinto espontâneo a isso falar.
Visualizo o futuro e me bate saudades, a tua presença já fá parte do meu itinerário.

2 comentários:

Cleber Henrique disse...

Nossa profundo, naum entendo muito de poemas! São tão profundo, que acaba que mesmo querendo dizer algo, parece que naum disse nada. rrsr

O que importa eh que vc gosta, dou força pra vc. Só naum eh minha praia.

Sucesso!

Prolixo Lacônico disse...

Muito bom o texto...
bela viagem...