sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Pretérito do Perfeito

De todo sofrimento imposto que é verdade, traga rosas vermelhas numa noite sem altares.
Em virtude do correto, em opostas situações limito minha vida a fazer interrogações.
Não há dúvida pelo querer, nem sentimentos a revelar, castigo meus olhos em ti sem ao menos eu enxergar.
Enlouquecido pela dor da saturada nomeação, investida pelos ares de sua respiração.
Fatigado pelo crime que foi feito pelo nada em jóias perdidas que foram todas encontradas. Inúmeros quereres do alvorecer ao crepuscular dos dilúvios saturados a você restaurar.
Efêmera vida de sua pálida imagem, em espelhos turva encontro à verdade.
Verei morrendo minha dor do vir a exaltar em encostas machucadas quero por ti rezar.Minha fé não tem Verdade, nem Divino lugar, mas de tanta saudade sei que pro inferno vou vir a deitar.

Jhonny Embetterment

Um comentário:

Luca Souza disse...

Caaara, muito bom, as palavras soaram como musica.Tu jogou muito bem com os sentidos das palavras. Parabéns!

voltarei mais vezes, quando der passa la no meu bauzin tb

http://www.baufragmentado.blogspot.com/