quarta-feira, 4 de junho de 2008

Tarde Infinita De Amor





Papel e pena é o que me resta

Do amor inteiro e verdadeiro

Que vivi naquela tarde, e o tempo apressa

Deixei-me ali entregue, do meu jeito



Mas o tempo não perdoa e é tão ligeiro

Leva-me o amante, seu gozo passageiro

Amou-me por toda a vida em seu ensejo

E a pena gruda no papel o eterno beijo



Amor por toda a vida numa tarde

Preenche-me o peito com a verdade

A vida é uma só, a tarde é infinita



Não compare em quantidade uma tarde e um amor

Não sufoque a qualidade duma vida com a dor

De ser ferida no amor sem minha tarde infinita



por: Tania Montandon

14 comentários:

DuDu Magalhães disse...

É, em alguns momentos vivo "anos" de puro amor, em outros vivo "segundos" de puro desespero... Acho que o amor é mesmo assim, existem poucos momentos que podemos dizer que foram mágicos, a maioria é comodismo.O

abras

Marcos disse...

belo texto :)

amor sempre rende belas palavras...

abraços

Rafael Hecht disse...

Não sou muito fã de poemas não, mas é um belo texto!

http://www.vasconautas.blogspot.com

Tragicomicuzinho disse...

pra sempre... acho q n existe!!

João Maluquinho.O disse...

muito lindo sua poesia
resumindo
amor é foda
rererererere
brincadeira
vc a cada vez escrevendo melhor em
um dia eu chego la
(eu acho)

blog disse...

Umsoneto - mesmo que irregular, já que heterométrico.
Mas ainda um soneto.

E o amor, a tarde e o que resta deles. Só lembrança mesmo.

Bruno T. disse...

Soh vi hoje seu comentário no blog...
gostei, e fico feliz por não ser o unico assim! Eh... claro que não sou msm!
e foi vc que me ad no orkut tbm neh?!
gostei, quero manter um contato com vc depois, trocar ideias...
add eu no msn, ele tah no blog. ok?!


bjos

caio arroyo disse...

Eu prefiro uma tarde de amor verdadeir do quem amor diario e sem graça, mas acredito que é possivel ter tardes de amor com a mesma pessoa por anos,basta querer

DuDu Magalhães disse...

Sabe, as vezes mesmo estando com minha namorada me sinto so, tao so que o que mais desejo é não estar em solidão... bom, "Nietzsche também tinha a solidão como sua companheira. Sozinho, doente, tinha enxaquecas terríveis que duravam três dias e o deixavam cego. Ele tirava suas alegrias de longas caminhadas pelas montanhas, da música e de uns poucos livros que ele amava. Eis aí três companheiras maravilhosas! Vejo, frequentemente, pessoas que caminham por razões da saúde. Incapazes de caminhar sozinhas, vão aos pares, aos bandos. E vão falando, falando, sem ver o mundo maravilhoso que as cerca. Falam porque não suportariam caminhar sozinhas. E, por isso mesmo, perdem a maior alegria das caminhadas, que é a alegria de estar em comunhão com a natureza. Elas não vêem as árvores, nem as flores, nem as nuvens e nem sentem o vento. Que troca infeliz! Trocam as vozes do silêncio pelo falatório vulgar. Se estivessem a sós com a natureza, em silêncio, sua solidão tornaria possível que elas ouvissem o que a natureza tem a dizer. O estar juntos não quer dizer comunhão. O estar juntos, frequentemente, é uma forma terrível de solidão, um artifício para evitar o contato conosco mesmos. Sartre chegou ao ponto de dizer que “o inferno é o outro.“ Sobre isso, quem sabe, conversaremos outro dia... Mas, voltando a Nietzsche, eis o que ele escreveu sobre a sua solidão:

“Ó solidão! Solidão, meu lar!... Tua voz – ela me fala com ternura e felicidade! Não discutimos, não queixamos e muitas vezes caminhamos juntos através de portas abertas. Pois onde quer que estás, ali as coisas são abertas e luminosas. E até mesmo as horas caminham com pés saltitantes.

Ali as palavras e os tempos
poemas de todo o ser se abrem diante de mim. Ali todo ser deseja transformar-se em palavra, e toda mudança pede para aprender de mim a falar.“

No fim, e sempre a solidao que me acompanha...

Mickey disse...

BOm pior q eh mesmo, as vezes a quantidade nao impporta....o q importa eh a qualidade...
parabens pelo poema...t+


http://sonacachaca.com

Rodrigo disse...

Belas palavras...um verdadeiro poeta =)

Christiane disse...

Como sempre, Tania consegue transcender as palavras, iluminando-as com um brilho todo especial e um raro lirismo.
Tarde Infinita de Amor é um belo poema, que reflete profundamente e ao mesmo tempo o gozo e a dor do amor.

Inezteves disse...

Vc é demais garota!
Nunca pare!

Karina Maria disse...

Tania, você tem o poder de me surpreender com as palavras. Todas as vezes que leio algo escrito por você, sinto que ainda tenho muito a aprender...

Sobre seu texto: Lindo! :)
Creio que uma das maiores utilidades da escrita é exatamente essa: eternizar o momento. E também é um dos motivos pelo qual eu escrevo :D

Bjus! Espero que continue a me surpreender! :D