segunda-feira, 16 de junho de 2008

Retalhos de intimidades


por: Tania Montandon


Estou no precipício das palavras, no infinito inventar que inacaba e não basta. No mistério da estranheza familiar de Freud, aropelada por descalabros não meus. É uma frustração do distanciamento acelerado da origem, do destino, da natureza.

"Algo está me chateando. Acho que sou eu mesmo" (Dylan Thomas)


Quero árvores, lagos e terra; quero animais , sossego e desconhecer a serra: elétrica, tétrica, maléfica! Quero cavalos, porcos, galinhas e gatinhos, sem esquecer os cães e os passarinhos.

"Escrever não é nada mais que ter tempo de dizer: estou morrendo"(Gaëtan Picon)

Quero escrever sob o calor saudável, sem passar sundown 30, sobre a molecada desvirtualizada, desconectada do mal-estar eletrônico; observar os maribondos fazendo casinhas de barro no quadro pintado por minha vó, pensando ser árvore de verdade. Que espelho! Que imagem!


"A escrita sempre foi destituída de quaisquer referências caso contrário ela é... Ela ainda se acha como no primeiro dia. Selvagem. Diferente. Exceto a gente, as pessoas que circulam no interior do escrito, durante o trabalho o autor nunca esquece, nunca lamenta. Não, disso estou certa. Portanto, é sempre a porta aberta para o abandono. Existe o suicídio na solidão de um escritor. "
(in:"Psicanálise, Literatura e Estéticas de Subjetivação)

Pode-se sentir só no interior da própria solidão. Quase inconcebível, perigosa, sim, um preço a pagar por ter ousado arriscar expor-se, sair e gritar em letras aladas..Não sou escritora renomada, porém me rejubilo em meu tentar e sonhar, pois isso nada pode me tirar. E as palavras que escrevo, estas que tão desconheço até que se desenham sobre as pautas... e então chego perto de as entender... e dizem não existir milagre...Pois se até a caneta comunica...


"Viver sem algumas coisas que desejamos é uma parte indispensável da felicidade."(Bertrand Russel)

Mas ainda quero contar a história do pé de limão que acabou dando mexericas, o limoeiro mexeriqueiro mais amado, o mais querido, desde jovenzinho esbanjava verde, vida, vigor, até sorria!


~

21 comentários:

* Mariana disse...

Nossa, quanta poesia!!!
Eu queria escrever assim...
MUITO lindo!

Rosangela disse...

Adorei .. adorei..

Como a colega acima, gostaria de ter a sensibilidade pra expor os sentimentos .. dessa forma..

abç..

Juliana disse...

Bucólico... mas lindo.

Gostei, especialmente, das citações.


Você escreve bem, tem um quê de literatura.

Everaldo Ygor disse...

...

Vivian Barros disse...

Eu tb gostaria de saber escrever assim, expor algo eu eu sinto, ou um momento que tenha passado em palavras... mas não tenho este dom. Então só me resta desfrutar dos de quem tem... e vc escreve muito bem.
Abraços,

http://vivian-barros.blogspot.com/

Everaldo Ygor disse...

Olá...
Um belo e intenso texto...
Com citações para a existência...
Ao ler os retalhos, o transporte ao solitario ato e escrever acontece...
Abraços
Everaldo Ygor

http://outrasandancas.blogspot.com/

Lica disse...

uau, escreve bem msm...
Eu tbm escrevo mais nada tão assim,
pensamentos confusos , mais expressos de forma certa,
Eu tbm me reprimo as vezes e sei que é so culpa minha , e nunca achei a razão por estar daquele jeito...

bjokas

http://deslica.blogspot.com/

Dih da Pâhzinha... disse...

Belas palavras...
mas me diz que historia é essa do pé de limão???

abraço

http://www.avidanobeco.com/

mickey disse...

Muito bom, vc escreve bem mesmo. parabens...gostei

http://www.sonacachaca.com

Monique disse...

Lindo!

sempre penso nessa tendencia humana a voltar as raízes: vive-se numa época agitada, se quer paz. Vive-se na paz se quer "amoção", ação.

Fato histórico mesmo, é só olhar pra trás que a gente percebe isso tão claramente que chega a ser fascinante!

Seu Blog é muito muitissimo legal. É uma mineira bem afiada!
Adorei, e mais ainda por estarmos pertinho :-P

abraço, sucesso!

Amanda disse...

as citações são otimas, e o texto tmb...
mto bom!

Lucas disse...

Palavras que se encaixam extremamente bem á "poesiação do que você esta sentindo".

Otimo.

http://sex-cappuccino.blogspot.com/

Pitadinha de Amor disse...

fico impressionada de como como as palavras tem um poder tao grande e belo

Anônimo disse...

Tania,vc pode não ser "renomada" (será que isto tem alguma importancia?) mas com toda certeza é uma excelente escritora! Que emoção relembrar aquela "casinha de barro" erguida dia a dia com obstinação e perseverança por um pequenino maribondo...(este fato é veridico, o quadro ainda existe como tbem é real a historia do pe de limão...)Gostei!Bjs Menina Chorona

Pitadinha de Amor disse...

fico impressionada de como como as palavras tem um poder tao grande e belo

Anônimo disse...

Por que será que solidão, sofrimento, "descalabros" (mesmo que alheios) são fontes de inspiração para os escritores sensíveis...? Descrever sentimentos e recordações intercalando citações pertinentes é algo que nem todos os escritores conseguem fazer. Parabéns!Ad Mira Dora

danisiinha disse...

Tania , ainda dizes que eu tenho a tecnica? rsrsr
escreveste lindamente...
escrever é abrir-se em mundo ... nós que o fazemos descobrimos que temos todos e tudo por dentro !
percebo isso em tuas linhas , como as vezes percebo nas minhas...
minhas letras somos nós , o mundo... assim como as tuas! parabens!! bjss

www.daniilopes.blogspot.com

DuDu Magalhães disse...

"A arte de escrever é a arte de transfigurar todo abstrato em rastros de sonhos" DuDu Magalhães

Encontrei um texto que define essa minha definição de escrever...

xD^~

belas palavras!

Anônimo disse...

Boa coleção de retalhos. Uma bela demonstração de saber usar o domínio das palavras.Um abraço, @m

Veiga disse...

Tania Montandon disse...

sou poeta, desculpe invadir seu espaço, não era a intenção!



*n entendi!

Veiga disse...

ah ta...

era brincadeira, pra ver se alguem realmente lia...

¬¬