sábado, 21 de junho de 2008

O poder como o mal da humanidade

Foucault mostra a necessidade de uma interpretação sobre o lugar das ciências humanas na modernidad, assinalando as transformações sofridas pelas soceidades modernas em relação às precedentes.

Focaliza a genealogia do poder, buscando conhecer suas origens, que são místicas e se desdobram até chegarem ao fato. O poder não está presente só no presidente, no professor, no Papa... está também na capilaridade entre homens e mulheres, adultos e crianças... O poder é um exercício de vida que ocorre nas relações, uma via de mão dupla que caminha junto com o social. O que constitui os indivíduos, gestos, desejos, maneira de ser é um efeito do poder e, ao mesmo tempo, seu centro de transmissão.

Pensando o contexto das prisões no século XVIII, o enclausuramento do louco, como um ato de poder e não de conhecimento, Foucault inaugura uma arqueologia do saber, enterra a razão no solo da desrazão, dando voz ao silêncio conferido aos loucos.

Nas sociedades primitivas, o poder tinha sua base na relação soberano-súdito, com controle via proibição e punição. Nas mais modernas, a base está mais nos aspectos disciplinares, agindo menos pela repressão e mais pelo instinto e estímulos.

A contemporaneidade valoriza o corpo e seus atos, contrapondo à valorização da terra e seus produtos como antigamente. Enfatiza-se a estética do corpo como concepção de poder. Este domina pela excitação, mais que pela proibição. É individualizante e regulador do tempo, funciona na rede de dispositivos espalhados com a intenção de produzir corpos úteis e dóceis. Usa os desejos individuais, incentivando e manipulando-o visando a preservar a hierarquia do poder.

A genealogia está atrás das fontes e dos conhecimentos. O enclausuramento dos loucos permitiu aos psiquiatras entender algo da loucura, produziu saber. O poder produz o saber. Produzir conhecimento é ir ao encontro do desconhecida, o inexplorado.

Foucault considera a genealogia uma anti-ciência por propor construir não uma teoria sistémática do poder, mas uma análise que permita uma política de resistência e luta contra as formas hegemônicas de dominação. Aposta numa relação inelutável entre poder e saber. A genealogia não contria a ciência em si, mas sim a função social de exercício de poder. Denuncia os saberes como peça de ação polítiica e também produz saber, pois se torna efeito de seu exercício. Sim, uma contradição, não há saber neutro, sempre é político, inclusive o produzido pelo exercício da genealogia.

Não se pretende uma hegemonia teórica, a aposta está na eficácia das ofensivas locais e descontínuas, como a luta anti-manicomial. É o reconhecimento do caráter histórico e mutante dos sujeitos e do saber sobre os mesmos.

O universo psi funciona como produtor e modelador de um tipo de subjetivação próprio da sociedade disciplinar, através de um discurso de verdade sobre a normalidade. O indivíduo, o comportamento, o emocional, o psicológico, o inconsciente são objetos de investigaçãoo e constituem o saber psi um instrumento dócil para o exercício do poder disciplinar. Isso é verificável constatando-se que os resultados alcançados fortalecem a demanda pelos especialistas muito mais que o aumento dos níveis de saúde mental da população.

Foucault ensina que o saber não deve ser dissociado da política, pois não se pode desconciderar os determinantes sociais, políticos, econômicos e culturais que atravessam os saberes e as práticas do campo psi, assim como toda reforma e mudanças pressupõem um embate de forças, com ações e resistências.



Ciência x sabedoria

Saber em forma x saber disforme

Saber em letras x saber em atos

Saber provado x saber ousado

Saber elite x saber humilde

Saber fetiche x saber efetivo

Saber objetivo x saber subjetivo

Saber limite x saber palpite


por: Tania Montandon

~



19 comentários:

Bruno disse...

"Microfísica do Poder" foi um dos livros mais instigantes que li na vida...

Realmente, o poder tem teias que não se resumem à classes ou a opressão simplória. Quem tem a possibilidade de exercer influência e tomar decisões estão inegavelmente no topo das estruturas sociais, sejam elas em Nova York ou numa favela de Parelheiros.

DuDu Magalhães disse...

"Pensar não consola, nem traz felicidade" Foucault

A importância do pensar vem talvez da ilusão de que pensando mais profundamente seremos capazes de transformar a realidade ao nosso redor e dentro de nós mesmos. Talvez Psique, não pensar seja impossível. bom, Talvez Foucault esteja criticando a ideologia de que o conhecimento traz felicidade. Não necessariamente fazendo a apologia da ignorância...

Mas hoje em dia, o poder, pelo menos ao meu ver, em todas esferas, gera muita "ignorancia"

por isso que digo...

Pensar não dá futuro! xD^~

bjksss

Fada Safada disse...

Oi, Tania.

A luta anti-manicomial não funcionou no próprio berço (Trieste/Itália) imagina no terceiro mundo!

Ninguém quer ver um esfrizofrênico ameaçando seus filhos durante surtos de agressividade ou cagando (sorry) na frente da porta de sua casa.

A discussão é muito bonita e emocionante, tanto quanto a Constituição e o Hino Brasileiros.

Poder existe, sempre existiu e existirá.
Mas ainda não posso contribuir com uma idéia fabulosa para sanar esta louca questão.

Abraços.

(arruma lá o "desconsiderando, com "s")

Beijos

UNDERGROUND disse...

O poder....

o que é o poder? Onde está hoje? eu não sei...

flw!

Breno disse...

Poder e dominaçao são coisas muito mais complexas do que se pode imaginar! Como a politica! Interessante o texto!

Marcelo Leite disse...

Hum
gostei muito daqui
bem organizado com post reflexivos
Abs

Anônimo disse...

O tema é desafiante.A humanidade vive em sociedade onde indivíduos lutam permanentemente pelo poder desde suas origens.Recentemente, um General brasileiro disse que um imcompetente no poder se torna perigoso à medida que recebe de seus bajuladores falsos elogios, o que o incentiva mais a praticar atitudes desastradas.Veja que de uma maneira geral vale tudo para não se largar o poder. Boa variaçãode tema. Um abraço, @m

Jay Jay Ococha disse...

Discussão interessantissima.
O poder modela as sociedades(no caso as ocidentais), estas sociedades vivem no modelo de Hobbes, em que o Estado não é o poder e sim a manutenção da ordem.

onde há o saber há também o poder, ou seja, o conhecimento ainda é o único mecanismo, que supera a violência e a força física e impõe PODER

Ramon Duarte disse...

muit bom aqui, seus posts são bem legais!

Parabéns

Conquistadores (Didixy) disse...

Nossa. Muito complexo isso e juro que cheguei na metade do texto,tive que voltar para tentar entender.

BOm, o poder é algo que sempre existiu e vai existir para sempre. Não tem como mudar.

Maa disse...

to boiando!

maus! bjss

Mayna disse...

Desde o meu primeiro período na faculdade estudei algo sobre Focucault. Esse período então nem se fala. Li um texto dele, mas confesso que o acho um pouco complexo.

http://maynabuco.blogspot.com

Anônimo disse...

O poder sempre foi e sempre será motivo de cobiça. Muito boa sua argumentação e finalização do texto enfocando Ciencia x Sabedoria. Bjs Ad Mira Dora

@sp disse...

Nossa você escreve muito!!


Mai oa o blog ta massa!
o post's tbm tão massa!
continue assim!



>>RÁDIO BAGACEIRA<<
http://www.radiobagaceira.blogspot.com/

>>EDITORA BAGACEIRA<<
http://www.edbagaceira.blogspot.com/

Wander Veroni disse...

Olá!

O poder é fascinante e dá para gente viajar no qto ele pode ser discutido e analisado...tô aqui refletindo e viajando sobre isso...hehehehe

Abcs,

=]
__________________________
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Letícia Castro disse...

É, na minha profissão (jornalismo)lidamos com o poder da disseminação da verdade adaptada para os interesses de cada meio. É um desafio ter ética e controle de um poder tão grande e avassalador quanto o de manipular o conhecimento, e quem tem a informação, tem o poder, sem dúvida. Por isso, todos devem buscá-la e em mais de uma fonte.
Beijos!
Letícia.
http://babelpontocom.blogspot.com

fati disse...

Tânia, vc escreve muito bem.Não sabia que conhecias a obra do Focault.
Além de poetisa, vc é uma grande intelectual.
Adorei o poema, após o texto. Simples e profundo!
Sucesso para você
Beijos
fati - fatima orkut

amanda disse...

Bom, vou ser bem sincera.
O texto está muito grande...
mas gostei mas dos outros post!
mas parabéns, está muito bom seu blog!

Lucas FCBA disse...

Excelente blog e quando ao texto me lembrou uma coisa qalguem me falou quando eu era pequeno 'Manda quem pode,obedece quem tem juizo'

Porem sempre aparece uns sem juizo da vida que sempre nadam contra a corrente exemplos
Joana Dark e Tiradentes